Capitalism

Por que o Capitalismo cria postos de trabalho sem sentido

É como se alguém lá fora estivesse criando empregos sem sentido apenas com o objetivo de nos manter a todos trabalhando.

Share with your friends










Submit
More share buttons
Share on Pinterest

Por David Graeber, Professor de Antropologia na London School of Economics.

Tradução: Gonzalo Aguero

No ano de 1930, John Maynard Keynes fez uma previsão que a tecnologia avançaria o suficiente até o fim daquele século, a tal ponto que países como a Grã-Bretanha ou Estados Unidos alcançariam a condição de jornadas de trabalho de 15 horas por semana. Há todas as razões para crer que ele estava certo. Em termos tecnológicos, nós já somos bastante capazes disso. Entretanto, isso não aconteceu ainda. Ao contrário, a tecnologia tem sido utilizada como meio de encontrar formas de nos fazer a todos trabalhar mais. Nesse contexto, alguns postos de trabalho que acabaram sendo criados, são, de fato, sem sentido. Muitas centenas de milhares de pessoas na Europa e América do Norte em particular, despendem toda sua vida profissional executando tarefas que eles secretamente acreditam não serem necessárias. O dano moral e espiritual advindo dessa situação é profundo. É uma cicatriz em toda nossa alma coletiva, muito embora não se fale a respeito disso.

Por que a utopia prometida por Keynes – ainda que ansiosamente aguardada nos anos 1960 –  não se materializou? A explicação padrão hoje é que ele não levou em conta o massivo crescimento do consumismo. Dada a escolha entre menos horas e mais brinquedos e prazeres, nós teríamos coletivamente escolhido a última opção. Isso pode até ser um belo conto de moralidade, mas mesmo num breve momento de reflexão percebe-se que isso não pode ser verdade. Sim, nós testemunhamos a criação de uma infinidade de novos empregos e indústrias desde os anos 1920, mas poucos deles têm algo a ver com a produção e distribuição de sushi, Iphones ou tênis sofisticados.

Get Evonomics in your inbox

Então, o que são estes novos empregos, precisamente? Um relatório recente comparando as ocupações nos Estados Unidos entre 1910 e 2000 nos dão um quadro esclarecedor (e eu diria, que boa parte disso ecoou no Reino Unido). Ao longo do século passado, o número de trabalhadores empregados em serviço doméstico, na indústria e no setor agropecuário caiu dramaticamente. Ao mesmo tempo, “Profissionais, Gerentes, Supervisores, Vendedores e prestadores de serviços” triplicaram, crescendo de “um quarto para três quartos do total de postos de trabalho. Em outras palavras, empregos produtivos, como previsto, têm sido largamente substituídos pelo processo de automação. (mesmo que se leve em conta os trabalhadores da indústria em termos globais, esses empregos não representam hoje nem de perto o percentual da população que já representaram antes)

Entretanto, ao invés desse processo permitir uma massiva redução de horas de trabalho para dar liberdade à população mundial para perseguir seus próprios projetos, prazeres, visões e idéias, temos visto a explosão não apenas do setor de “serviços”, mas também do setor administrativo, até ao ponto da criação de um conjunto de novas indústrias, tais como serviços financeiros ou telemarketing ou a expansão sem precedentes de setores como direito corporativo, academia e serviços de saúde, recursos humanos e relações públicas. E esses números nem ao menos refletem, no total, aquelas pessoas cujas funções existem para prover apoio administrativo, técnico ou de segurança para essas indústrias, ou para todo tipo de indústrias de serviços auxiliares (lavadores de cães, entregadores de pizza 24 horas) que apenas existem por que todas as outras pessoas estão gastando seu tempo trabalhando em seus empregos.

Estes empregos, são aqueles para os quais eu proponho chamar “empregos babacas

É como se alguém lá fora estivesse criando empregos sem sentido apenas com o objetivo de nos manter a todos trabalhando. E aqui, precisamente, reside o mistério. No capitalismo, isto é exatamente o que não deveria ocorrer. Claro, nos antigos ineficientes estados socialistas com a União Soviética, onde o emprego era considerado um direito e ao mesmo tempo um dever sagrado, o sistema criou o maior número de postos de trabalho o quanto possível (isso explica porque em lojas de departamento soviéticas haviam três trabalhadores para vender um pedaço de carne). Mas, é claro, este é o tipo de problema que a competição de mercado deveria resolver. De acordo com a Teoria Econômica, pelo menos, a última coisa que uma organização com fins lucrativos faria é desperdiçar dinheiro com empregados dos quais ela não precisa de verdade. Contudo, de alguma forma, isto ocorre.

Enquanto as corporações se engajam em processos de downsizing (redução drástica de quadros), os cortes e revisões de processos invariavelmente caem sobre aquelas classes de trabalhadores que realmente estão fazendo, movimentando, arrumando e mantendo as coisas; por meio de uma alquimia que ninguém sabe bem explicar, o número de assalariados “empurradores de papel” parece se expandir ultimamente e cada vez mais, os empregados vêem a si próprios, não como trabalhadores soviéticos, trabalhando 40 a 50 horas semanais com papel, mas efetivamente trabalhando 15 horas como Keynes predisse, desde que o restante de seu tempo têm sido aplicado em organizar ou participar de seminários motivacionais, atualizando seu perfil no facebook ou baixando vídeos na internet.

A resposta certamente não é econômica: é moral e política. A classe dominante tem propagado que uma população feliz e produtiva com tempo livre em suas mãos é um perigo mortal (pense no que começou a acontecer quando isto apenas começou a se aproximar nos anos 1960). E, por outro lado, o sentimento de que o trabalho é um valor moral em si, e que qualquer um que não deseje se submeter a qualquer intensa disciplina de trabalho durante as horas do dia, não merecia nada, é extraordinariamente conveniente para eles.

Uma vez, ao contemplar o aparente crescimento sem fim de responsabilidades administrativas  nas universidades Britânicas, eu pude ter uma possível visão do inferno. Inferno é uma coleção de indivíduos que despendem o grosso de seu tempo trabalhando em uma tarefa que eles não gostam e não são especialmente boas nelas. Dizer que elas foram contratadas por serem  excelentes carpinteiros, e então, descobrem que esperam que elas percam boa parte de seu tempo fritando peixe. Nenhuma das tarefas precisa realmente ser feita – pelo menos, há um apenas um pequeno número de peixes que precisa ser frito. Contudo, de alguma maneira, eles todos se tornaram tão obcecados e ressentidos com a idéia de que alguns de seus colegas podem despender mais tempo em “carpintaria”, e, não cumprir sua parcela de responsabilidade de “fritadores de peixe”, isso tudo após se dar conta que há pilhas de inúteis peixes mau cozidos se acumulando por toda a parte e é isso que realmente se faz.

Eu acredito realmente, que essa é uma bela descrição da dinâmica moral de nossa economia.

Agora, eu compreendo aquele tal argumento que assim que chega traz a tona contra argumentos, do tipo: “Quem é você para dizer que empregos são realmente ‘necessários’? O que é necessário afinal? Você é professor de Antropologia, qual a ‘necessidade’ disso? (e, em verdade, muitos dos leitores de tablóides dariam à existência de meu trabalho como a verdadeira definição de um desperdício social). E, em algum nível, isto é obviamente verdadeiro. Contudo, pode haver alguma medida objetiva de valor social.

Eu não diria a alguém, que se convence de estar dando uma contribuição significativa ao mundo, que, na verdade, não está. Mas, e a respeito daquelas pessoas que estão convencidas de que seus empregos são desprovidos de significado?  Não muito tempo atrás eu retomei contato com um amigo de escola que eu não via desde meus 12 anos. Eu estava admirado de descobrir que, nesse ínterim, ele havia se tornado primeiro, poeta, e depois, em vocalista de uma banda de rock independente. Eu ouvi algumas de suas canções no rádio sem ter idéia de que o cantor era na verdade alguém que eu conhecia. Ele era obviamante brilhante, inovador e seu trabalho tinha inquestionavelmente abrilhantado e melhorado as vidas de pessoas ao redor do mundo todo. Entretanto, após alguns álbuns sem sucesso, ele perdeu seu contrato e penou com dívidas e uma filha recém nascida, e terminou, como ele próprio definiu: “Tomei a escolha padrão de muitos que se encontram sem direção: faculdade de Direito”. Agora ele é um advogado corporativo trabalhando numa proeminente empresa em Nova Iorque. Ele foi o primeiro a admitir que seu trabalho era absolutamente insignificante, que não contribui com nada ao mundo e à sua auto-estima, não deveria sequer existir.

Há muitas questões a se responder aqui, começando com o que diriam sobre nossa sociedade que parece criar uma extremamente limitada demanda por músicos e poetas talentosos, mas aparentemente demanda infinita por especialistas em legislação corporativa?

(Resposta: se 1% da população controla a maior parte da riqueza disponível, o que nós chamamos de “o mercado” reflete o que ‘eles’ acreditam ser útil ou importante, e ninguém mais.)

Para além disso, isso mostra que a maior parte das pessoas nesses empregos, estão, em última análise, cientes disso. De fato, não tenho certeza se já conheci algum advogado corporativo que não veja seu trabalho como uma “grande besteira”. O mesmo ocorre para quase todos os citados acima nas novas indústrias. Existe toda uma classe de profissionais assalariados que você encontraria em festas, nas quais, ao admitir que faz algo considerado interessante da vida (antropólogo, por exemplo), iriam tentar evitar até mesmo explicar todo seu campo de trabalho. Dê a eles um ou dois drinks e eles irão despejar em detalhes sobre o quão sem sentido e estúpidos seus empregos na verdade são.

Esta é uma violência psicológica profunda. Como alguém pode começar a falar sobre dignidade no trabalho quando se acredita que esse emprego nem deveria existir? Como isso pode não criar um sentimento de profunda raiva e ressentimento. Entretanto, é bem peculiar em nossas sociedades que, de maneira genial, os donos do poder encontraram uma forma, como no caso dos fritadores de peixe, de garantir que a raiva seja direcionada precisamente contra aqueles que na verdade estão começando a fazer algo significativo. Por exemplo: em nossa sociedade, parece haver uma regra geral que, o quanto mais óbvios são os benefícios do trabalho de alguém para os demais, menos este é pago por isto. De novo, uma medida objetiva é difícil de se encontrar, mas uma forma fácil de se obter um senso disso é perguntar: O que aconteceria se essa classe inteira de trabalhadores simplesmente desaparecesse? O que dizer de enfermeiras, lixeiros ou mecânicos, é óbvio que se eles desaparecessem numa nuvem de fumaça, os resultados seriam imediatos e catastróficos. Um mundo sem professores ou estivadores estaria em risco em alguns instantes, e até mesmo sem autores de ficção científica ou músicos de ska, ele seria claramente um lugar pior. Não está muito claro como a humanidade sofreria se todos os CEO’s de mercados de capitais, lobistas, Relações Públicas, atuários, profissionais de telemarketing, oficiais de justiça ou consultores do direito e similares, desaparecessem. (muitos suspeitam que ela melhoraria bastante). No entanto, para além de um punhado de algumas claras exceções (médicos), a regra funciona surpreendemente bem.

E o mais perverso disso tudo é que parece haver um amplo senso comum de que este é o jeito que as coisas devem ser. Esta é uma força secreta do populismo de direita. Podemos ver isso quando tablóides alimentam ressentimento contra trabalhadores do metrô quando paralisam Londres em meio a negociações coletivas: o fato em si dos trabalhadores do metrô conseguirem paralisar Londres demonstra o quanto seu trabalho é realmente necessário, mas isso parece ser o que precisamente irrita as pessoas. Isto é ainda mais claro nos EUA, quando republicanos tiveram grande sucesso ao mobilizar ressentimento contra professores ou trabalhadores da indústria automobilística (e não necessariamente contra os administradores das escolas ou gestores da  indústria automobilística, que realmente causaram os problemas) por seus supostamente salários e benefícios inchados. É como se dissessem a eles “ mas vocês querem dar aulas para crianças! Fazer carros! Vocês têm que arranjar empregos de verdade! E ainda por cima você ainda tem o desplante de achar que teria seguro social e planos de saúde da classe média?”

Se alguém tivesse desenhado um regime de trabalho perfeitamente ajustado para manter o poder do capital financeiro, seria difícil imaginar uma arquitetura melhor. Os trabalhadores realmente produtivos são implacavelmente esmagados e explorados. O restante é dividido entre um estrato aterrorizado -universalmente vilipendiados – de desempregados e um estrato ainda maior que são basicamente pagos para fazer nada, em posições concebidas para fazê-los se indentificarem com as perspectivas e sensibilidades das classes dominantes (gerentes, administradores, etc) – e particularmente com seus “avatares” financeiros – mas, ao mesmo tempo, adotando um fervoroso ressentimento contra qualquer um cujo trabalho tenha claro e inegável valor social. Claramente, o sistema não foi conscientemente desenhado. Ele emergiu após quase um século de tentativa e erro. Mas esta é a única explicação para o porquê, apesar de nossos recursos tecnológicos, nós não estarmos todos trabalhando 3 a 4 horas por dia.

Originalmente publicado no Strike!

2017 March 3


Donating = Changing Economics. And Changing the World.

Evonomics is free, it’s a labor of love, and it's an expense. We spend hundreds of hours and lots of dollars each month creating, curating, and promoting content that drives the next evolution of economics. If you're like us — if you think there’s a key leverage point here for making the world a better place — please consider donating. We’ll use your donation to deliver even more game-changing content, and to spread the word about that content to influential thinkers far and wide.

MONTHLY DONATION
 $3 / month
 $7 / month
 $10 / month
 $25 / month

ONE-TIME DONATION
You can also become a one-time patron with a single donation in any amount.

If you liked this article, you'll also like these other Evonomics articles...




BE INVOLVED

We welcome you to take part in the next evolution of economics. Sign up now to be kept in the loop!

  • Thiago

    Keynes nunca entendeu a economia, este artigo, mesmo sem querer, só demonstra isso

  • Cairo Silva

    Se fossem postos de trabalho sem sentido, eles não existiriam porque não haveria demanda. Simples assim (y)

  • Eduardo

    Por aqui os jornais locais estão indignados pq as empresas de Onibus querem automatizar o serviço do cobrador. rs
    As vezes os sindicatos tentam atrapalhar e etc e forçam que trabalhos sem sentido continuem.

  • Stella Mota

    Cara, que texto incompleto. O questionamento é extremamente interessante, mas sinceramente não há resposta evidenciada.. quais fatos foram usados? Uma comparação entre o impacto de paralisação de algumas classes de trabalhadores e um advogado que não acha que contribui para a sociedade… Não li provas de absolutamente nada, se nao juízos de valor sobre contextos abstratos da realidade. Por exemplo, uma paralisação dos operadores de metro teria um impacto enorme… que tal uma paralisação dos técnicos em contabilidade que organizam os pagamentos de todos os que trabalham na empresa de transporte. Na contabilidade a identificação da contribuição de cada trabalho para o produto oferecido ao mercado (à sociedade) é feita pela contabilidade gerencial e/ou de custos. Poderíamos fazer um rateio de tudo como matéria-prima que é usado na produção e descobrir qual sua colaboração em termos comparativos com todos os funcionários da cadeia produtiva. Essa seria uma forma de evidenciar o papel de cada classe trabalho em diversos processos produtivos de um mercada, mas para isso usaríamos um denominador comum de abstração e comparação: uma moeda. O que falta na antropologia é organizar os valores, não posso comparar bananas com maçãs. Gostaria muito de ver uma pesquisa relacionada com tema: serviços e trabalhos improdutivos, carga horária de trabalho e desenvolvimento tecnológico, insatisfação dos trabalhos nas funções desempenhadas… mas algo sério com evidências e credibilidade.